14 junho 2016

Opinião: série Kitty Norville (Carrie Vaughn)

Editora: Grand Central Publishing + Tor
Formato: Bolso + E-book
Géneros: Fantasia Urbana

Já há muito, muito tempo que o blogue não está ativo. Como escrevi em outubro do ano passado, a vontade de me dedicar ao blogue não voltava, parecia quase um sacrifício escrever. Por isso ficou encerrado por termo indefinido.

E, bem, não posso dizer que esteja novamente cheia de vontade de me dedicar a isto como no passado, mas decidi experimentar, para ver o que sai, até porque escrever opiniões, estranhamente, ajuda a acalmar a irritação causada pelo dia a dia (go figure).

A série sobre a qual vou opinar hoje é de um dos meus géneros favoritos (a fantasia urbana) e está terminada, com 14 livros. Foi uma das primeiras séries do género que li, mas parei a leitura porque na altura só tinham saído 4 livros (estão a ver ao tempo que isto foi). Este ano decidi reler os quatro primeiros e ler o resto. Até agora, li 10 livros e já tenho mais ou menos uma ideia do que vai acontecer.

Kitty Norville foi mordida por um lobisomem depois de uma noite traumática e é acolhida pela alcateia de Denver, na qual assume a posição de submissa, uma loba fraca e abaixo de todos as outros. Como tal, tem de ser protegida pelo alfa, Carl, mesmo que isso implica que ele pode ter sexo com ela quando quer e que pode mesmo dar-lhe umas bofetadas.

O único amigo de Kitty (sim, uma lobisomem? Lobimulher? chamada "Kitty", eu sei) é T.J. um lobisomem mais forte do que ela, mas que a trata como mais do que uma cria de lobo a proteger.

7662235Quando Kitty começa inadevertidamente um programa de rádio noturno para onde outros seres sobrenaturais podem ligar, não só despoleta acontecimentos que vão mudar a realidade em todo o mundo como também mudanças nela própria: torna-se mais confiante, mais assertiva. Mas conseguirá Kitty sair da relação abusiva que tem com Carl, o alfa da alcateia?

Esta série é interessante porque todo o mundo evolui. Passo a explicar: na maioria das séries de fantasia urbana, o sobrenatural é algo reconhecido e estabelecido ou então é algo escondido. Esta é a primeira série que leio onde o sobrenatural passa de algo mitológico para algo bem real. Vemos então como as coisas mudam e os humanos se adaptam, o que é super interessante, de um ponto de vista "what if".

13513643Esta série é também interessante porque Kitty, a protagonista, evolui muito significativamente. Não no sentido de ganhar poderes que a tornam superior, mas de uma maneira mais realista, pois cresce como ser humano, o que afeta a sua "submissividade" perante o resto da sua alcateia. E uma coisa que me surpreendeu imenso pela positiva: Kitty nunca se torna super poderosa, apesar de ascender a uma posição de poder. Ela nunca se torna uma "mary sue" super especial com uma herança escondida e poderes diferentes dos do resto dos lobisomens. Não, Kitty não é a mais forte fisicamente, mas é a mais "apta a liderar" pelo que ascende à sua posição de poder e ganha o respeito de outras criaturas sobrenaturais.

Relativamente à história e à mitologia, as mesmas são generalistas. Não são particularmente originais: a história de cada livro é um pequeno mistério paranormal, não muito elaborado; e a mitologia não difere muito da da maioria dos livros de fantasia urbana do mercado: os vampiros são sedutores e hipnóticos, os lobisomens têm regeneração instantânea, as fadas são misteriosas e traiiçoeiras, etc. Nenhuma das "espécies" está grandemente desenvolvida.

No geral, uma série que vale, principalmente pela originalidade do conceito e pelo desenvolvimento das personagens.

2 comentários :

Mafi disse...

Weee welcome back ^_^

Conheço esta série ao tempo mas duvide que algum dia pegue nela...

WhiteLady3 disse...

*acena* Já li um conto da autora e gostei bastante do seu estilo mas este género, salvo raras excepções, não é para mim.